sábado, 8 de setembro de 2007

Pedacinho de céu

Quanta saudade de teu riso
e da tua voz criança
chamando: “tio Bergue”!
Ah! Tê-la aqui a me fazer pequeno!
Voltar à infância me prestaria,
como sempre faço
quando contigo estou.

(Sem você) Os meus dias são tão longos,
mesmo em tão poucas horas...
É que a ânsia de estar contigo
(levá-la à pracinha de Uruará;
pô-la no mundo da fantasia;
fazê-la deslizar no escorregador de sonhos;
vê-la flutuar naquele balanço vermelho),
faz-me maior que minha paciência.

Queria estar perto de ti
meu pedacinho de céu de três anos
para ouvir a suavidade da inocência criança
fazendo-se voz pela tua boca.
A expressão máxima do mundo,
sem dor ou maldade, vejo em teus olhos,
mas sou eu que carrego
a dor da saudade que existe em mim.

Publicado no livro:
Poemas Dedicados,
CBJE, RJ, 2007

3 comentários:

Érica disse...

Simplismente linda....
Ameiiiiiiiiii, parabéns Jose Heber...
Beijos

Dora disse...

Vim lendo você, desde lá de baixo...da página...
Por que eu não o conhecia ainda? Pois se passeio pelos blogs de poesia sempre...
"Pedacinho do céu" me mostrou mais um pedacinho de sua lavra poética, das mais bonitas por aqui...
Não se esconda, poeta!
Deixo-lhe um grande abraço!
Dora

Anônimo disse...

"pedadicinho do céu" é um poema maravilhosamente divina!!!
transmite muita ternura e afeto...
gracias por compartir los sentimientos de tu alma de peota!!!